Welcome to Blog umbreveolhar

O meu objectivo, é escrever breves textos, sobre os assuntos que eu considere de interesse nos mais diversos âmbitos, e que prendam a atenção do seu olhar!
Domingo, 20 de Abril de 2008
O Dia 25 de Abril de 1974, para mim é inesquecível.

Eu  cumpria o Serviço Militar ainda na altura da Revolução do 25  de Abril, que abriu portas para a Democracia tão desejada por muita gente, incluindo eu próprio, como é óbvio.  Lembro-me que estava de serviço na véspera e  tinha confidencialmente conhecimento do que ia acontecer no dia seguinte, tendo  continuado de serviço no dia da Revolução, que eu recordo  todos os momentos como se fossem hoje. 

Os Civis,  que era assim como os chamávamos, andavam na sua grande maioria com uma satisfação muito grande, exibindo os saudosos cravos vermelhos e confraternizando amavelmente connosco dando-nos sempre muito apoio moral tão necessário nessa ocasião. Eu diria que essas pessoas também fizeram parte do sucesso alcançado com o Movimento das Forças Armadas, pelo que lhes devemos muita gratidão.

Salvo alguns percalços  que entretanto iam surgindo, num ou noutro local, a Revolução foi um êxito e para quem não é desse tempo, ou não cumpriu o serviço militar, tem visto em filmes ou documentários  uma amostragem daquilo que se passou no terreno. Agora faz parte da história verídica e é bom que os estudantes a aprendam bem. Porque viver em democracia é muito diferente do que suportar  uma Ditadura como a que precedeu o Dia 25 de Abril de 1974.

Os dias que se seguiram continuavam a ser vividos por nós e por muitas pessoas com extraordinária alegria, e por essas circunstâncias os militares eram solicitados  a muitos Locais. onde a multidão carregada de cravos vermelhos os recebiam efusivamente com  muitas palmas e gritando: vivas ao 25 de Abril e às Forças Armadas.

Um dia fui com mais dois oficiais do exército num jipe do Quartel a Felgueiras, onde nos esperavam milhares de pessoas, que nos aplaudiam vivamente. Era de  tarde e estava um calor tórrido e nós fardados a rigor! 

Entramos para o Salão Nobre dos Bombeiros, onde fomos recebidos principescamente , onde nada faltava para lanchar  e até vinho do porto, cujo comandante dos Bombeiros disse que era do melhor, e só para nos homenagear, fez questão de abrir a garrafa que nos estava destinada para cada um beber um cálice, e comprovamos a sua óptima qualidade. Pois nessas ocasiões não se pode recusar o que amavelmente nos oferecem com tanto gosto.

Ao dirigirmo-nos para a varanda do Edifício onde o povo mais uma vez nos saudava com enorme entusiasmo. O militar mais graduado era  um capitão " de carreira" mais velho, e por isso não era capitão miliciano. Ele tinha chegado dias antes ao Quartel e não conhecia nem bem nem mal a agora cidade de Felgueiras, pelo que a primeira gafe foi: Bom povo de Fafe! Começamo-nos a rir sem que o Povo se apercebesse, mas eu em surdina disse-lhe para corrigir o lapso, o que ele fez de imediato.

Depois também usei da palavra, porque conheço bem aquela gente hospitaleira, e os aplausos eram constantes, o que para um orador é sempre agradável. No meio disto  tudo há sempre peripécias engraçadas, e esta foi uma delas! O 25 de Abril como já repararam está no meu coração. E Sei que também no coração de muitos Portugueses.

Viva o 25 de Abril! 

Nota: Eu tinha a intenção de só escrever este post no dia da 25, ou seja, quando oficialmente se comemora o dia da Liberdade, mas devido ao facto de nessa data, estar ausente do País por motivos profissionais, escrevo com uma antecipação de alguns dias.

 

"

 

 



publicado por umbreveolhar às 04:13
link do post | comentar | favorito

21 comentários:
De umbreveolhar a 22 de Abril de 2008 às 16:28
Tal como em determinado parágrafo referi, houve contrariedades por causa dessa revolta dos Militares. O chamado :Movimento das Forças Armadas,que foram as exepções lamentáveis. E como disse eu era militar aquando da revolução de Abril de 1974. Tendo sido mais sobre esse facto que eu destaquei o 25 de Abril.
A descolonização, foi sem dúvida mal feita! E nesse aspecto concordo com o que diz, até pelos exemplos familiares que refere, e com os quais me solidarizo consigo nesse aspecto e lamento o sucedido.
Mas uma coisa foi implantar a democracia, outra a demagogia, e quanto à descolonização, os capitães não tiveram culpa alguma, mas sim os politicos e militares de alta patente.

Acrescento, que uma grande parte dos meus amigos vieram das antigas colónias com os problemas e traumas que isso acarreta, mas dada a sua personalidade, arte para o trabalho, e negócios, hoje são pessoas que se distinguem dos demais por causa do sucesso que têm, e que faz inveja a muita gente que nunca saiu daqui para a África.! Pessoalmente, nunca prejudiquei um patriota que tenha estados nas ex-colónias portuguesas.
Lamento mais uma vez o que aconteceu à sua Família, pois são valores muito altos para que não tenham sido acautelados os seus legítimos direitos.

Continuo a ler os seus extraordinários posts, e espero que não se zangue comigo, cuja "culpa" foi apenas ser obrigado a cumprir o serviço militar obrigatório!

Cumprimentos,
Carlos Alberto Borges


De Bichana a 23 de Abril de 2008 às 17:42
Claro que não me zango consigo! Longe de mim, tem sido muito gentil comigo!
Obrigada pelas suas palavras


Comentar post

Carlos Alberto Borges
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


O meu blog e o mundo à distância de um clique

Ninguém dispensa a visita a umbreveolhar...


MusicPlaylist
MySpace Playlist at MixPod.com

PORTUGAL
subscrever feeds
links
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
posts recentes

RECOMEÇA

QUADRA NATALICIA 2013

CHEGOU O OUTONO

CHEGOU A PRIMAVERA

Amar!

Meu Blog umbreveolhar e F...

Mar Português

Um Novo Ano com Paz!

Um BOM ANO de 2011

Natal 2010

pesquisar
 
arquivos
mais comentados
65 comentários
57 comentários
54 comentários
50 comentários
49 comentários
tags

todas as tags

favoritos

Atraiçoada eleita!

curto circuito

MUNDO

Explicação da Poesia

Mar azul - Cesária Évora ...